5 julho 2017

Você já parou para pensar em como será o futuro das tecnologias para o varejo?

Apesar de ser um setor relativamente tradicional, o varejo está cada vez mais servido de soluções tecnológicas e tudo levar a crer que ele estará cada vez mais conectado no futuro.

Olhar para o horizonte pode ser um exercício difícil, mas veremos neste texto como identificar sinais do futuro no presente.

Montando o cenário futuro do varejo

Para a criação de um cenário futuro, é necessário considerar três aspectos: as forças motrizes, os elementos predeterminados e as incertezas críticas.

As forças motrizes são aquelas que têm o poder de influenciar as tendências em cada setor. Com isso, precisamos nos perguntar: o que poderá afetar decisivamente o setor varejista no futuro?

A partir do mapeamento das forças motrizes, tentaremos percorrer os elementos predeterminados e as incertezas críticas para descobrir as certezas e incertezas do futuro.

Desta forma, iremos analisar os elementos predeterminados, que são aqueles que dificilmente mudarão e as incertezas críticas, aquelas que serão difíceis de prever.

No caso do futuro das tecnologias para o varejo, podemos elencar os seguintes pontos:

  • Forças motrizes:
    • Mercado com baixa taxa de margem de lucro
    • Presença de mecanismos regulatórios e de fiscalização
    • Preocupação insuficiente com perdas e qualidade dos produtos
  • Elementos predeterminados:
    • Aumento da demanda por produtos, principalmente aqueles de consumo básico
    • Aumento da exigência do consumidor por qualidade
    • Aumento da conectividade do consumidor
  • Incertezas críticas:
    • Como o mercado será composto? Haverá um domínio das grandes empresas? Como as pequenas empresas continuarão a competir?
    • Como a fiscalização irá se comportar? Haverá espaço para a corrupção?
    • As margens de lucro irão cair? As perdas continuarão sendo aceitáveis?

Como o futuro poderá ser?

Podemos ver que o varejo é um mercado que normalmente tem uma pequena preocupação com perdas e qualidade devido às pequenas margens de lucro geradas por um grande volume de vendas e à falta de rigidez dos mecanismos de fiscalização.

Espera-se que no futuro exista um aumento da demanda por produtos devido ao crescimento populacional. Ao mesmo tempo, é provável que exista um aumento da conectividade dos consumidores, o que iria gerar uma maior exigência de qualidade.

Com isso, surge a incerteza sobre a estruturação do mercado. Com o aumento da competição, existe a incerteza se as empresas menores terão boas condições para competir com as grandes redes.

Para concorrer de forma mais competitiva as empresas aceitarão margens menores de lucro menores? As perdas de produtos continuarão sendo aceitáveis em um mercado com a necessidade cada vez maior de reduzir custos?

Ainda com relação à qualidade, existe uma grande tendência de que os mecanismos regulatórios sejam cada vez mais rigorosos.

É possível que casos como o da operação Carne Fraca sejam cada vez mais frequentes e os riscos com multas sejam exponencialmente maiores.

Indícios do futuro do varejo no presente

Atualmente já podemos ver diversos indícios que nos mostram como poderá ser o futuro do varejo no que diz respeito às suas tecnologias.

Hoje já existe uma crescente proliferação de novas tecnologias para atender às demandas do varejo. Dentre elas podemos citar tecnologias de identificação por radiofrequência, conexão online com os clientes e também a internet das coisas.

Estas novas tecnologias vêm sendo desenvolvidas para ajudar o trabalho de todos os setores de uma empresa, mas os que estão ganhando espaço mais rapidamente são as que facilitam as operações e as que procuram conquistar os clientes.

A maior parte das inovações para o varejo busca resolver problemas administrativos e operacionais. Nestes setores a meta é clara: ajudar a melhorar a margem de lucro a partir da redução de custos e da eficiência.

Para isso, busca-se ajudar os gestores a otimizar o trabalho e reduzir a ocorrência de erros administrativos, neste sentido já existem soluções que oferecem serviços de inventários de produtos, contabilidade e integração de processos.

A área operacional também é alvo de muitas soluções para aumento de eficiência e de redução de custos. Desta forma, as iniciativas têm como objetivo reduzir os custos com manutenção e energia e também reduzir os riscos e prejuízos com perdas com produtos, seja por roubos e extravios, armazenamento e conservação ou má gestão de estoques.

Para fidelizar os clientes, as empresas procuram oferecer uma melhor experiência de compra. Para isso, busca-se facilitar o máximo a busca pelos produtos e o conforto dentro da loja. Além disso, são feitas também ações para conectar os clientes fora da loja, como no e-commerce, por exemplo.

Atualmente já existem soluções que atuam neste sentido para avaliar quais pontos da loja são menos atrativos com base em dados como tráfego de pessoas, luminosidade, disposição dos produtos ou mesmo temperatura ambiente.

Futuro das tecnologias para o varejo: como poderá ser?

A forma como as tecnologias para o varejo está se desenvolvendo leva a crer que no futuro as tecnologias irão promover uma integração total entre todos os setores de uma loja. Com isso, será possível reduzir custos e erros a partir do aumento da eficiência operacional e administrativa.

Além das melhorias internas, espera-se que o varejo possa se aproximar de seus clientes, seja no mundo virtual ou nos pontos de venda.

Muitas empresas buscam investir em formas de se conectar com seus clientes em momentos em que eles não estão em suas lojas, isso é importante, pois, apesar de não estarem em momento de compra, os clientes sempre estão se educando sobre o que precisam adquirir para sanar suas necessidades.

Estar próximo dos clientes vai ser uma necessidade presente não somente no mundo online, as empresas irão buscar oferecer uma experiência de compra cada vez mais completa.

Desta forma, as iniciativas têm foco em dois pontos: facilitar oferecer mais comodidade para encontrar os produtos como também para oferecer maior conforto aos clientes para que eles possam permanecer no ponto de venda por um tempo maior.

Você poderia perguntar: como o varejo terá as informações corretas para aplicar estas mudanças?

No futuro a tendência é que o varejo esteja cada vez mais servido de tecnologias da informação que possam suprir os gestores com os dados que possam servir de base para tomadas de decisão mais inteligentes.

Com isso, a tendência é que a maior parte dos equipamentos esteja conectada e enviando dados em tempo real, fazendo com que antigos equipamentos obsoletos percam espaço e sejam deixados de lado para novas tecnologias como a da Internet das Coisas.

E você, está preparado para o futuro?

Apesar de os cenários tentarem imaginar os acontecimentos futuros, o julgamento sobre a sua efetividade não se baseiam apenas na captura correta dos acontecimentos, mas sim se o cenário conseguiu alterar o comportamento atual das pessoas por ter visto o futuro de forma diferente.

Ter uma visão a longo prazo significa estar preparado para qualquer acontecimento e ter espaço suficiente para manobras e adaptações. E você, como enxerga o futuro do varejo?

Para você o futuro está nas tecnologias de ponta ou nos equipamentos e procedimentos obsoletos que apenas encobrem problemas ao invés de ajudar a resolvê-los?

h

Guilherme Ribeiro

Especialista em Internet das Coisas para Varejo