Publicado em 1 dezembro 2020 | Atualizado em 30 novembro 2020

Não há estatísticas oficiais de incêndios em hospitais no Brasil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estima que o número dessas ocorrências gire em torno de 3.200 casos ao ano, ou cerca de 270 incêndios ao mês.

O número real pode ser ainda maior porque não há obrigatoriedade de comunicar ocorrências de pequenas proporções, contidas pela brigada de incêndio.

De qualquer forma, podemos afirmar que incêndios em hospitais causam danos físicos e materiais. Os impactos podem afetar não apenas na saúde de seus ocupantes, mas também o edifício e seu entorno e o meio ambiente como um todo.

Hospitais têm a missão de cuidar das pessoas, dando a impressão de que são seguros. Portanto, conhecer os riscos permite a elaboração de um plano de contingência que minimize as chances de um incêndio ocorrer. Além disso, diminui os impactos de uma ocorrência.

Por que incêndios em hospitais são mais difíceis de combater?

Um incêndio é grave em qualquer edificação, mas os incêndios em hospitais podem ser ainda mais desafiadores e difíceis de combater, em função de suas características.

A principal diferença é a vulnerabilidade do público atendido. A capacidade de zelar pela autopreservação e de se deslocar em caso de emergência pode estar comprometida em função da idade, incapacidade física ou mental.

Outro fator de risco no ambiente hospitalar é o manuseio constante de gases e substâncias inflamáveis (cilindros de oxigênio, ar comprimido etc.). E equipamentos de alta tensão (tomógrafos, raios-X).

Sem contar que o fornecimento de energia em setores essenciais não pode ser interrompido, mesmo na vigência de um incêndio. Unidades de Terapia Intensiva e Centros Cirúrgicos necessitam de fornecimento de eletricidade ininterrupto e seus pacientes não podem ser facilmente realocados.

Segurança contra incêndios: como podemos melhorar?

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a melhoria das condições de segurança contra incêndio é obtida através de medidas de prevenção e medidas de proteção.

As medidas de prevenção visam minimizar os riscos de ocorrência de incêndios em hospitais. Além disso, compreendem a redução das fontes de ignição, arranjos e construções físicas normalizadas, conscientização e manutenção preventiva e corretiva dos sistemas.

As medidas de proteção contra incêndios são aquelas destinadas a minimizar os danos decorrentes de um incêndio, limitando seu crescimento, sua propagação para outros ambientes e propiciando condições de combate às chamas.

Portanto, essas medidas subdividem-se em medidas de proteção passiva e medidas de proteção ativa:

  • Medidas de proteção passiva são aquelas associadas a aspectos construtivos intrínsecos à edificação ou aos processos nela contidos. Compreendem seleção de materiais e procedimentos de fabricação e instalação. Também são incluídos, onde aplicável, atendimento aos afastamentos mínimos, barreiras corta-fogo e fumaça e/ou enclausuramento, selagens corta-fogo e outros.
  • Medidas de proteção ativa são aquelas acionadas somente por ocasião do incêndio. Compreendem sistemas fixos de detecção, de alarme, de extinção com ação manual (extintores e hidrantes), de supressão com ação automática, registros, dampers corta-fogo e fumaça com acionamento eletromecânico. Incluem, ainda, dispositivos de intertravamento para bloqueio de fontes de energia elétrica do sistema de condicionamento de ar e ventilação e das fontes de energia elétrica e combustível.

As ações a serem adotadas em caso de incêndio devem seguir o Plano de Emergência Contra Incêndio (PECI), onde se prevê todas as medidas de proteção a serem adotadas para conter eventuais incêndios em hospitais.

O PECI é elaborado por profissional habilitado pelo Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA), conforme as especificações do Corpo de Bombeiros.

O Papel da Brigada de Incêndio

De nada adianta estabelecer medidas de prevenção e proteção se não houver pessoas devidamente treinadas e capacitadas para colocarem esse sistema de segurança contra incêndio em prática.

A prevenção e a minimização dos danos dependem, sobretudo, de pessoas preparadas para atuar em incêndios em hospitais. Estamos falando da brigada de incêndio, uma exigência legal para garantir a segurança.

A brigada de incêndio é uma equipe capacitada para controlar e combater o incêndio nos primeiros instantes. Para isso, deve conhecer bem o ambiente, além de estar atenta e atualizada aos procedimentos padrões no que diz respeito à evacuação e ao combate a incêndio.

Em caso de perda de controle da situação, a brigada acionará o Corpo de Bombeiros e se encarregará de orientar o público hospitalar sobre as rotas de fuga para evacuar o prédio com segurança.

Além de atuar no combate e prevenção, a brigada de incêndio deve atuar também em: inspeção e sinalização das rotas de fuga e equipamentos de combate a incêndio, primeiros socorros, treinamento de outros colaboradores e realização de simulados.

Cada estado possui sua própria legislação para regular a atividade de brigada de incêndio. Os brigadistas podem ser funcionários voluntários que assumem essa função num momento de emergência. Outra possibilidade é recorrer a uma empresa contratada especificamente para esse serviço.

A segurança contra incêndio começa com o projeto arquitetônico

A segurança contra incêndios começa com o projeto arquitetônico do hospital. A escolha de materiais de construção e acabamento, a ocupação das áreas e as rotas de fuga devem ser cuidadosamente planejadas. Cabe aos hospitais já construídos realizarem as adaptações necessárias.

Em construções verticais, a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) deve ser alocada próxima do acesso principal, de forma que os pacientes possam ser retirados rapidamente, em caso de emergência. Considerando sua funcionalidade, devem estar próximas também do Pronto Atendimento.

O Centro Cirúrgico e o Centro Obstétrico devem estar localizados nos pavimentos intermediários. Portanto, estarão, ao mesmo tempo, próximos tanto das UTIs, quanto do Pronto Atendimento. Os pavimentos de internação, por sua vez, ficam nos andares intermediários.

Considerado como um dos maiores riscos do ponto de vista de segurança contra incêndio, os serviços de Nutrição, Cozinha e o Refeitório devem ser integrados e, preferencialmente, localizados nos pavimentos superiores, contemplando uma rota de abastecimento dedicada.

O projeto arquitetônico deve levar em consideração as distâncias a serem percorridas até as saídas, o dimensionamento das escadas e a resistência ao fogo das estruturas. Além disso, o projeto deve prever barreiras para evitar propagação do fogo entre compartimentos.

A carga de materiais combustíveis deve ser limitada tanto quanto possível. Os materiais devem ser instalados segundo as especificações e certificações dos órgãos competentes. Na falta destes, deverão ser atendidas as recomendações dos fabricantes para garantir a segurança contra incêndio.

Sistemas de Segurança Contra Incêndio: o que não pode faltar

O conjunto de medidas de proteção ativa (combate/enfrentamento) e passiva (preventiva) é denominado de Sistema de Segurança Contra Incêndio. Seu objetivo é garantir a evacuação segura dos ocupantes, a minimização de danos na edificação e nas edificações vizinhas.

O Sistema de Segurança Contra incêndio visa também à minimização de danos à infraestrutura pública local e à segurança das operações de combate ao incêndio, quando estas forem necessárias.

Confira as condições mínimas de segurança do Sistema Básico de Segurança Contra Incêndio (SBSI), previstas no Manual de Segurança contra Incêndio da Anvisa:

  • Acesso de viatura à edificação;
  • Segurança estrutural contra incêndio;
  • Controle de materiais de acabamento e revestimento;
  • Sinalização de emergência;
  • Rotas de fuga e saídas de emergência;
  • Iluminação de emergência;
  • Alarme de incêndio;
  • Extintores;
  • Brigada de incêndio;
  • Plano de emergência contra incêndio.

Dependendo das características do hospital (altura, área, serviços prestados etc.), a edificação deve possuir também Sistemas Especiais de Segurança Contra Incêndio (SBEI), a saber:

  • Compartimentação Horizontal e Vertical;
  • Sistema de Detecção Automática de Incêndio;
  • Sistema de Hidrantes e Mangotinhos;
  • Sistema de Chuveiros Automáticos;
  • Sistema de Controle de Fumaça.

Detalhes que podem fazer a diferença na hora da emergência

Os planos de emergência contra incêndio em hospitais devem prever ações coordenadas entre órgãos governamentais e associações não governamentais que atuam em emergência (Polícia Civil/Militar, Corpo de Bombeiros, Rotary Club etc.).

Órgãos governamentais que não atuam em emergências também podem ser envolvidos. Podemos citar como exemplos a Secretaria de Obras, de Assistência Social e de Transportes.

Saídas de emergência, rotas de fuga, escadas e refúgios devem ter capacidade adequada para o volume de pessoas circulantes. Hospitais verticais devem prever, ainda, elevadores de emergência protegidos da ação do fogo, com sistema de alimentação de energia independente.

Normalmente, as pessoas demoram em reagir diante de uma situação de incêndio, não acreditando que estejam envolvidas numa situação de grave risco. Por isso a realização periódica de treinamentos e simulados é tão importante.

A familiaridade com os procedimentos permite decidir rapidamente e salva vidas. Quando a fumaça toma conta do ambiente, a falta de oxigênio e o excesso de gás carbônico alteram o nível de consciência e comprometem a capacidade de agir.

Aliás, a fumaça é outro ponto que merece atenção nas construções. Os projetos arquitetônicos devem levar em consideração a propagação da fumaça dentro dos ambientes em caso de incêndio e promover barreiras arquitetônicas e sistemas de extração de gases.

É preciso conhecer para garantir a segurança contra incêndio

Acidentes, infelizmente, acontecem. No cenário atual, é preciso considerar não só os riscos inerentes à atividade hospitalar, mas também o risco de um incêndio doloso.

O Plano de Emergência deve considerar todos esses riscos e ser revisado periodicamente. Só assim é possível manter o hospital devidamente aparelhado com Sistemas de Segurança Contra Incêndio adequados à sua realidade.

Além disto, a vistoria rigorosa, a sinalização e, principalmente, o treinamento regular da equipe podem auxiliar na prevenção eficiente contra incêndios em hospitais e no rápido combate quando um se inicia.

O conhecimento é o primeiro passo para a prevenção de incêndios em hospitais. Procure conhecer os Sistemas de Segurança de sua instituição e mantenha-se atualizado sobre o Plano de Emergência!

h

Márcia Rodriguez Vásquez Pauferro

Farmacêutica Hospitalar

Farmacêutica formada pela USP, especialista em Farmácia Hospitalar e Qualidade e Segurança no Cuidado ao Paciente, Mestre em Bioética.