Publicado em 4 junho 2020 | Atualizado em 23 junho 2020

O setor de saúde produz e gerencia enormes quantidades de dados vitais diariamente, que além de garantirem um excelente atendimento ao paciente, auxiliam médicos em seus diagnósticos. Por isso, contar com um armazenamento em nuvem para esses dados pode representar uma série de benefícios.

A computação e o armazenamento em nuvem é uma solução flexível que permite que os serviços em saúde aproveitem uma rede de servidores remotamente acessíveis, onde podem armazenar grandes volumes de dados em um ambiente seguro, mantido pelos profissionais de TI.

De acordo com a pesquisa da BCC, o mercado global de computação em nuvem para saúde deve atingir US$ 35 bilhões até 2022, com uma taxa de crescimento anual de 11,6%. Apesar disso, 69% dos entrevistados em uma pesquisa de 2018 indicaram que o hospital em que trabalhavam não tinha um plano para mover os servidores locais existentes para a nuvem.

Já a MarketsandMarkets afirma que o mercado global de computação em nuvem para assistência médica deverá atingir US$ 51,9 bilhões até 2024, contra US$ 23,4 bilhões estimados em 2019. Os principais fatores que impulsionam esse crescimento são a adoção da IoT (internet das coisas), dispositivos portáteis e análise de big data no armazenamento em nuvem.

O que é o armazenamento em nuvem?

O armazenamento em nuvem é um modelo de serviço no qual os dados são transmitidos e arquivados em sistemas remoto, onde são mantidos, gerenciados, armazenados em backup e disponibilizados aos usuários por uma rede (geralmente a Internet). Os usuários pagam uma taxa mensal por consumo.

A segurança dos serviços de armazenamento em nuvem continua sendo uma preocupação entre os usuários. Por isso, os provedores de serviços tentaram amenizar esses medos, aprimorando seus recursos de segurança, incorporando criptografia de dados, autenticação multifatorial e segurança física aprimorada em seus serviços. Isso tudo cria diversas camadas de segurança, podendo assim, ser considerado um dos ambientes digitais mais seguros da Terra.

Existem três principais modelos de acesso ao armazenamento baseado em nuvem: público, privado e híbrido.

Armazenamento público

Os serviços de armazenamento em nuvem pública fornecem um ambiente com vários locatários, mais adequado para dados não estruturados com base em assinatura. Os dados são armazenados nos datacenters dos prestadores de serviços, com dados espalhados por várias regiões ou continentes.

Esse setor de mercado é dominado pelo Amazon Simple Storage Service (S3), Google Cloud Storage e Microsoft Azure.

Armazenamento privado

O serviço de armazenamento em nuvem privada é fornecido por recursos internos implantados como um ambiente dedicado protegido por um firewall da organização.

As implementações de armazenamento em nuvem privada hospedadas internamente emulam alguns dos recursos de serviços em nuvem pública disponíveis comercialmente. Fornecendo acesso e alocação fáceis de recursos para usuários corporativos, bem como protocolos de armazenamento de objetos.

As nuvens privadas são apropriadas para usuários que precisam de personalização e mais controle sobre seus dados ou que possuem requisitos rigorosos de segurança ou regulamentação.

Armazenamento híbrido

A nuvem híbrida é uma mistura de serviços de armazenamento em nuvem privada e armazenamento em nuvem pública de terceiros. Com uma camada de gerenciamento de orquestração para integrar operacionalmente as duas plataformas.

O modelo oferece flexibilidade aos negócios e mais opções de implantação de dados. Uma organização pode, por exemplo, armazenar dados usados ​​e estruturados ativamente em uma nuvem local e dados não estruturados e de arquivo em uma nuvem pública. Um ambiente híbrido também facilita o manuseio de picos sazonais ou imprevistos na criação ou no acesso a dados por um repentino aumento nas informações geradas.

Fácil acesso aos prontuários eletrônicos

O acesso rápido e fácil a informações médicas importantes é vital para o diagnóstico, tratamento e cuidados contínuos. Carregar os prontuários eletrônicos repletos de registros de saúde, histórico do paciente, resultados de testes, imagens e outras descobertas de diagnóstico na nuvem permitem que os membros da equipe de atendimento sempre podem agir com base nas informações mais recentes.

Os dados médicos baseados na nuvem também estarão disponíveis para qualquer pessoa ou aplicativo que tenha uma necessidade de visualizar e agir com base nas informações prestadas. Isso facilita a revisão e inserção de novas informações nos registros eletrônicos de saúde ou nos detalhes médicos.

Por exemplo, um farmacêutico pode consultar as prescrições de um paciente para garantir que não haja interações medicamentosas não planejadas. Como alternativa, um médico pode transferir facilmente o histórico médico do paciente para um especialista, para um diagnóstico e um plano de tratamento mais completo.

Outra vantagem é que os dados armazenados na nuvem são atualizados em tempo real. O que significa que médicos e outras pessoas sempre têm as informações mais recentes para entender e colaborar nas opções de tratamento.

Da mesma forma, se houver uma transferência entre as equipes de saúde durante uma mudança de turno ou um paciente for transferido para outro setor, todos terão acesso ao histórico mais recente do paciente para uma melhor continuidade dos cuidados.

Backup contínuo e redução de custos

Os serviços de armazenamento em nuvem fornecem backup em tempo real dos dados médicos. No caso de falha do computador ou tablet, perda de energia ou violação de dados, os profissionais de saúde podem restaurar rápida e facilmente as informações. Evitando a interrupção ou interrupção mínima do atendimento ao paciente.

Um dos principais benefícios do armazenamento em nuvem é a falta de custos iniciais na compra de servidores físicos e outras infraestruturas. Em vez disso, a maioria dos fornecedores permite que as organizações paguem apenas pelos recursos que realmente usam.

Isso permite que os provedores de assistência médica paguem o que precisam, com base nos dados que estão armazenando na nuvem. Podendo ser muito útil para o controle de custos operacionais e para manter as despesas no mínimo.

A mudança para o armazenamento de dados de assistência médica na nuvem faz sentido para muitas empresas da área de serviços de saúde. Uma combinação de autorização e validação adequadas, aliada com acesso rápido aos registros eletrônicos de saúde, significa que as informações corretas do paciente estão disponíveis no momento certo.

Da mesma forma, as integrações de dados de assistência médica facilitam a atualização dos resultados dos laboratórios e os sistemas para ajudar no diagnóstico e tratamento.

Do ponto de vista da indústria, conjuntos de dados maiores, combinados com maior poder computacional, ajudam na pesquisa e no desenvolvimento da assistência médica.

Uso cada vez maior pela área da saúde

As empresas de serviços em saúde que buscam uma estratégia flexível e segura para armazenar e acessar seus dados estão cada vez mais se voltando para a migração do armazenamento em nuvem. Embora os custos mais baixos de configuração e manutenção sejam uma das atrações iniciais do da migração, as empresas também podem se beneficiar da flexibilidade que um projeto em nuvem pode oferecer.

De acordo com uma pesquisa da HIMSS, a nuvem já está se tornando a opção de implantação preferida para aplicativos de assistência médica. Realizada em janeiro de 2017, a pesquisa mostrou que 65% dos entrevistados disseram que suas organizações de saúde atualmente utilizam a nuvem ou serviços em nuvem. E grande parte do uso é direcionado para aplicativos clínicos e hospedagem de dados, recuperação e backup de dados e hospedagem de aplicativos operacionais.

Ainda conforme dados da pesquisa, a grande maioria das empresas de serviços em saúde que agora usam a nuvem está implantando software como serviço (SaaS). No qual um provedor de serviços hospeda e mantém aplicativos. Quase nove em cada 10 desses entrevistados (88%) disseram que suas organizações estão usando um modelo SaaS. Contra 67% em uma pesquisa em nuvem HIMSS de 2014.

E mais da metade dos usuários em nuvem deste ano (54%) estão implantando uma infraestrutura como um modelo de nuvem de Serviço (IaaS), usando recursos virtualizados para obter flexibilidade e escalabilidade.

Porque o SaaS tem crescido para o setor de saúde?

Uma das opções de nuvem mais populares para aplicativos é o software como serviço (SaaS). Eles são um modelo de serviço em computação em nuvem, pelo qual o provedor fornece um pacote completo de aplicativos de software pela Internet para seus clientes, que assinam esse serviço.

No setor de saúde, os aplicativos SaaS incluem sistemas de informações clínicas e sistemas de informações não-clínicos. Cobrança, ERP, cadeia de suprimentos, entre outros. Substituindo o uso tradicional de software, reduzindo a necessidade de compra de licenças e de ter computadores potentes para operá-los.

Muitas empresas da área de saúde estão procurando mover seus prontuários eletrônicos para a nuvem. E o SaaS é a maneira mais básica de fornecer aos médicos e demais profissionais envolvidos acesso na nuvem a ferramentas baseadas em aplicativos.

A transferência prontuários eletrônicos e outras ferramentas de aplicativos para a nuvem pode dar às empresas muito mais flexibilidade. Além de criar um acesso mais fácil aos dados, especialmente em um ambiente móvel.

A principal diferença entre SaaS e outros modelos baseados em nuvem é a quantidade de controle que a organização tem sobre os aplicativos. O SaaS requer menos desenvolvimento e manutenção prática, porque não cabe à organização investir em pessoal ou hardware.

As ferramentas SaaS permitem que o software seja executado no dispositivo de terminal sem que realmente haja dados armazenados no dispositivo. As informações são armazenadas externamente e os usuários os acessam usando a Internet. A implantação desses pode ser aproveitada para várias funções de TI de saúde, prontuários eletrônicos e sistemas de gerenciamento de práticas médicas.

Exemplos de tecnologias SaaS para o setor de saúde

Um exemplo de uso da tecnologia SaaS é o monitoramento da temperatura e umidade de medicamentos por meio de um software remoto. O sistema, desenvolvido pela Nexxto, garante o monitoramento em tempo real de equipamentos e ambientes que contenham insumos termolábeis. Além da segurança ao armazenamento, o software armazenado na nuvem gera relatórios no padrão Anvisa, favorecendo a interoperacionalidade entre os setores.

Os aplicativos SaaS também podem ser acessados ​​a partir de qualquer dispositivo, especialmente se forem baseados na Web. Os usuários precisam apenas de um navegador da Web e acesso à Internet para recuperar os dados de que precisam ou inserir novas informações.

Em 2019, uma pesquisa da Spok foi realizada por membros do College of Health Information Executives (CHIME), dos Estados Unidos. Mostrando como os hospitais gerenciam as implantações de SaaS. Os principais resultados da pesquisa incluem:

  • Todos (100%) dos entrevistados dizem que sua organização está usando SaaS;
  • A maioria (63%) usa seis ou mais aplicativos SaaS;
  • As três principais soluções SaaS são usadas para essas aplicações: 1) portal do paciente, 2) telemedicina, 3) comunicação móvel;
  • Quase 3 em cada 4 entrevistados disseram que ‘reduzir custos de TI’ é o principal fator para o uso de SaaS;
  • 68% disse que as implantações de SaaS foram ‘como esperavam’ – apenas 19% disseram que era ‘mais difícil’ e 13% disseram ‘melhor’.

Avanço na interoperabilidade de dados

À medida que avançamos no desenvolvimento em saúde digital, a interoperabilidade entre dispositivos médicos conectados e os vários sistemas e aplicativos que armazenam dados de pacientes se tornará uma questão cada vez mais importante.

Um número crescente de desenvolvedores de produtos está construindo dispositivos habilitados para IoT para o setor de assistência médica. Isso permite um monitoramento em tempo real de cada setor dentro de um hospital — da temperatura de armazenamento dos medicamentos. Passando pelo monitoramento da saúde do paciente, e até no uso da inteligência artificial para agilizar diagnósticos.

À medida que os desenvolvedores trabalham em direção a um mundo em que dispositivos conectados portáteis, aplicativos móveis de saúde e registros eletrônicos de saúde podem interagir livremente. Facilitando a rápida transferência e análise de dados que conduzem aos resultados do atendimento ao paciente. A computação em nuvem fornecerá a plataforma principal para o armazenamento e manutenção de todos esses dados.

As organizações que expandem seus recursos de armazenamento em nuvem hoje poderão se adaptar mais rapidamente e efetivamente ao cenário em mudança dos cuidados de saúde nos próximos anos.

monitoramento temperatura e umidade

h

Lucas Almeida

Cofundador e CRO da Nexxto

Trabalho todos os dias para ajudar o setor de saúde a ser mais digital e eficiente, possibilitando que mais pessoas no Brasil tenham acesso a serviços com qualidade e segurança.