19 Abril 2017

Garantir o conforto térmico em um país como o Brasil pode ser difícil.

As dimensões continentais do território brasileiro proporcionam microclimas e temperaturas das mais variadas.

Seja no calor característico dos estados do centro e norte do país ou no frio apresentado por aqueles ao sul, não é raro confrontarmos sensações térmicas bastante incômodas.

A permanência por horas num escritório abafado pode ser tão desconfortável quanto o trabalho prolongado numa câmara fria, ou mesmo a céu aberto sob forte radiação solar.

Com a diferença de que no primeiro a temperatura pode ser ajustada de acordo com preferência de quem o ocupa.

Não é à toa ser generalizado o uso dos aparelhos de ar condicionado em escritórios, lojas ou consultórios.

O ar condicionado, ou alternativas como ventiladores, os quais são menos eficazes, são essenciais para manter uma temperatura agradável nos ambientes fechados e evitar possíveis problemas de saúde.

Conforto térmico na Legislação Trabalhista

O que talvez pouca gente saiba é que providenciar conforto térmico não é opcional para o empregador.

A Legislação trabalhista determina quais são as condições mínimas de trabalho.

Há artigos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) que regulam o tema, e deixam bastante clara a responsabilidade do contratante.

De acordo com o Artigo 176, os locais de trabalho devem ter ventilação natural compatível com o serviço realizado.

Caso ela não preencha as condições de conforto térmico, a ventilação artificial será obrigatória.

O artigo 178 determina como referência o que é estipulado pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Em sua Norma Regulamentadora 17, o MTE define a temperatura efetiva entre 20 e 23 graus Celsius no ambiente de trabalho onde são executadas atividades de cunho intelectual.

A umidade relativa nesses casos deve ser inferior a 40%.

Conforto térmico: definição das condições térmicas ideais

Os parâmetros fundamentais do conceito de conforto térmico levam em conta aspectos individuais e ambientais.

Apresentando as seguintes variáveis:

  • atividade desempenhada;
  • vestimentas;
  • temperatura do ar;
  • umidade relativa do ar;
  • velocidade do ar;
  • além da temperatura média radiante.

A metodologia de cálculo das condições ideais é direta ao ponto.

Consiste em aplicar os valores das 6 variáveis acima nos coeficientes da equação de conforto térmico, calculando a acumulação energética no corpo.

O resultado da equação é então confrontado com um conceito conhecido por Voto Médio Predito (PMV, em inglês).

Ele nada mais é que uma previsão de voto de um grande grupo de pessoas através de uma escala quantitativa de sensações de calor e de frio.

Quanto mais próximo de zero, a sensação tende a ser neutra, e proporcionalmente mais pessoas se sentiriam confortáveis.

A partir do PMV temos uma correlação com o conceito de Porcentagem Predita de Insatisfeitos (PPV, em inglês).

Assim, sob conforto térmico ótimo (entre -1 e 1 de PMV), não mais que 10% dos ocupantes do ambiente de trabalho (segundo o PPV) se sentiriam desconfortáveis.

A porcentagem de 10% ou menos de pessoas insatisfeitas é dada como termicamente aceitável, de acordo com o ISO 7730.

Devido a diferenças individuais, sempre haverá uma porcentagem de insatisfeitos.

Um ambiente termicamente produtivo

Se ater a essas leis e princípios vai além da obrigação do empregador.

Projetar sistemas que garantam as condições citadas atenuam ou mesmo impedem a proliferação de fungos, vírus e bactérias nos ambientes de trabalho.

O calor em excesso proporciona além de desconforto, irritabilidade e sudorese.

Relatório recente da NASA aponta que há perda de produtividade e maior frequência de tomada de decisões equivocadas em temperaturas altas.

Profissionais submetidos à temperatura de 34°C chegam a apresentar queda de 39% de rendimento, além de 700% de aumento de chances de tomar más decisões.

O aumento do calor e da umidade chega a reduzir a capacidade de trabalho das pessoas em 10% no verão, de acordo com pesquisa da revista Natural Climate Change.

Tal índice pode ainda crescer num cenário de tendência de aumento da temperatura média mundial.

A temperatura abafada no local de trabalho tende a baixar a pressão corporal e deixar o indivíduo sem ânimo, abatido fisicamente.

O relacionamento entre colegas pode também ser afetado.

Isso ocorre devido ao aumento da irritabilidade gerada e maior propensão para discussões.

Conforto térmico pode ser por vezes bastante subjetivo.

Entretanto, manter um ambiente neutro ou levemente frio melhora nosso desempenho intelectual, estimulando a concentração e o aprendizado.

Favorece até que fiquemos mais acordados.

Isso ocorre pois nessas condições o corpo é estimulado a produzir adrenalina.

Essa substância afeta o grau de motivação que temos para exercer qualquer atividade.

O equilíbrio do nível de adrenalina, então, proporciona o estado ótimo entre vagarosidade e inquietude, que podemos denominar informalmente de zona do foco.

É essa a zona ótima para se aproveitar o melhor rendimento.

Por que monitorar a temperatura de suas dependências de trabalho?

Funcionários produtivos e satisfeitos são a base de empresas produtivas.

Garantir que as condições de trabalho favoreçam esse ambiente é uma relação de ganha-ganha.

Ganha o funcionário ao gozar de mais conforto, ganha a empresa por contar com mão de obra motivada.

Em empresas com poucos locais de trabalho, a garantia da capacidade ótima de refrigeração dos ambientes pode ser mais facilmente administrada.

Por exemplo, os próprios funcionários podem notar qualquer desvio e acionar a manutenção rapidamente.

No entanto, em organizações com diversos escritórios ou lojas pulverizadas por regiões mais amplas, nem sempre isso acontece.

A depender da estrutura de ação, muitas vezes uma filial pode ficar à mercê da central para resolver pequenos problemas, levando muito mais tempo para a normalização.

O tempo entre o problema e a solução pode ter um impacto indireto bastante negativo.

Imagine qual seria o valor de poder gerar um alerta em tempo real!

Sempre que as condições saírem da normalidade por um intervalo maior que o normal.

Acionar prontamente o gestor de manutenção/infraestrutura para dar início à verificação e reparo.

A operação ocorreria com muito mais rapidez, beneficiando a equipe inteira do local afetado.

Além disso, o acompanhamento do histórico dos dados poderia garantir a conformidade da organização com as normas legais.

Podendo ainda gerar insights úteis para a equipe de infraestrutura.

Pronto para garantir o conforto e desempenho de sua equipe?

O assunto é sério. Quando se trata de ambiente de trabalho, algumas condições são fundamentais para o sucesso do negócio.

Muitas vezes parecem tão básicas que podem passar despercebidas.

Proporcionar um ambiente termicamente confortável é tão importante que pode ser considerado um investimento para o negócio.

Além das questões legais, que por si só são mandatórias, estimulam reações fisiológicas que contribuem para maximizar o desempenho profissional dos indivíduos.

Afetando por fim todo o negócio.

Saiba como a tecnologia da Internet das Coisas da Nexxto pode te ajudar a garantir as condições ideais de ambiente e dar um salto de eficiência para sua equipe de manutenção na resolução dos problemas.

h

Maurício Zotarelli

Inteligência Comercial