31 outubro 2019

Você sabia que os erros médicos causam 5 mortes por minuto do mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS)? São 2,6 milhões de mortes por ano nos países de baixa e média renda. É nesse contexto preocupante que surgem as healthtechs!

Essas empresas unem saúde e tecnologia com o objetivo de melhorar o acesso à saúde e de reduzir os erros médicos. São soluções variadas, que têm potencial de tornar os diagnósticos mais precisos, reduzir burocracias e revolucionar o sistema atual.

Neste post, descubra qual o panorama atual das healthtechs brasileiras, quais categorias de healthtechs existem e como sua empresa pode se beneficiar de cada uma delas.

Confira!

Conheça o panorama atual das healthtechs brasileiras

De 2018 para 2019, o número de healthtechs brasileiras foi de 288 para 386, de acordo com o Distrito HealthTech Report. O mercado está em expansão: nos últimos 5 anos ocorreu um boom, resultado do amadurecimento do ecossistema empreendedor brasileiro.

O relatório, que está em sua segunda edição, traz dados valiosos sobre esses negócios que combinam saúde e tecnologia, além de apontar as principais tendências do setor da saúde para os próximos anos.

Um desses dados mostra, por exemplo, que a região Sudeste se mantém como a de maior concentração de startups na área da saúde. É nela que estão localizadas 41% das healthtechs mapeadas. A região Norte, por outro lado, segue sem nenhuma empresa deste tipo.

Outra características das healthtechs brasileiras é o número baixo de funcionários: mais de 94% das startups de saúde mapeadas têm 50 funcionários ou menos, e só 2,5% delas têm mais de 100 funcionários.

Como as instituições de saúde podem se beneficiar das healthtechs

Certo, agora que você já sabe um pouco sobre o panorama das healthtechs brasileiras, vamos ver o que essas empresas podem fazer pelo seu negócio. Se você tem uma instituição de saúde — hospital, clínica, laboratório, banco de sangue, dentre outros — pode aproveitar as healthtechs para reduzir erros médicos e melhorar os seus processos.

Conheça abaixo as categorias de healthtechs e como cada uma delas pode ajudar o seu negócio.

Gestão e PEP

Dentre as healthtechs mapeadas pelo Distrito, uma das categorias é a das startups de gestão e prontuário eletrônico do paciente, o PEP (24,2%). Essas plataformas facilitam a gestão de instituições de saúde, aumentando a eficiência e ajudando a armazenar corretamente as informações dos pacientes.

Também facilita a gestão hospitalar e clínica, o que inclui controle de escalas, agendamento, controle do fluxo de caixa. Algumas startups desta categoria oferecem, ainda, a emissão de atestados, laudos de exame e prescrições.

Acesso à informação

O acesso à informação é uma ferramenta que empodera o paciente. Com as informações certas nas mãos, afinal, ele não aceitará um atendimento ruim.

É por isso que algumas healthtechs atuam justamente nessa frente, oferecendo conteúdos educativos por meio de aplicativos e portais. Nesses ambientes virtuais, o paciente encontra informações sobre saúde pública, medicamentos, acesso a equipamentos públicos e prevenção de doenças crônicas.

Dentro dessa categoria, também se encontram startups que oferecem soluções para a adoção de um estilo de vida mais saudável e as startups que fazem ofertas e cotações de planos de saúde.
Marketplace

Com as healthtechs de marketplace você tem acesso a plataformas que agregam profissionais e serviços de saúde, com padronização do atendimento e garantia de qualidade. Também há os marketplaces que fazem ofertas de terceiros, agregando profissionais e serviços de saúde e atuando somente como intermediários na transação.

Farmacêutica e diagnóstico

As fintechs dessa categoria trazem soluções voltadas às novas formas de atuação na medicina diagnóstica e farmacêutica. São ferramentas como e-commerces, que facilitam o acesso a produtos de qualidade, tanto para instituições quanto para os pacientes.

Também estão incluídas aqui startups que oferecem pesquisas farmacêuticas, auxiliando na descoberta de novos medicamentos, e healthtechs focadas em genômica, que produzem dados sobre genoma humano, fornecendo diagnósticos, tratamento e prevenção de doenças.

Além disso, há as startups voltadas para a produção de tecnologias para realização de exames de diagnóstico de doença e medição de resultados clínicos. Elas podem agregar muito ao seu negócio!

Relacionamento com os clientes

Reduzir erros médicos passa também por ter um bom relacionamento e comunicação com os seus pacientes. Aqui, entram em cena as plataformas de comunicação voltadas para médicos e pacientes.

Além disso, existem ferramentas voltadas a melhorar o engajamento dos pacientes, por meio de aplicativos, SMS e chatbots, especialmente para doenças crônicas e cirurgias.

Telemedicina

Na categoria de telemedicina entram tecnologias para atendimento, monitoramento e diagnóstico a distância.

Com elas, o profissional da saúde pode ter uma segunda opinião de outro profissional que está longe, apoiar decisões em imagens digitais de alta qualidade remotamente e acompanhar o atendimento de pacientes à distância.

Medical devices

Os dispositivos médicos são usados pelos profissionais da saúde com o objetivo de melhorar diagnósticos, assim como de prevenir e tratar doenças.

Para isso, healthtechs desenvolvem equipamentos para prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças, traumas ou problemas de acessibilidade.

Também há o desenvolvimento de modelos e fabricação de peças utilizando impressoras 3D, tanto para realização de treinamento quanto para fins cirúrgicos.

Inteligência artificial e big data

Tendência em tantas outras áreas do conhecimento, a inteligência artificial e o big data não ficariam de fora da área da saúde. As soluções dessa categoria aumentam a eficiência dos tratamentos e previnem ocasionalidades.

Por meio da inteligência artificial, é possível fazer diagnósticos precisos e ter apoio na tomada de decisões. Já as startups voltadas ao big data analisam um grande volume de dados, aplicando-os à área da saúde.

Wearables e inteligência das coisas

Por fim, vale conhecer a principal categoria de startups wearables e internet das coisas, que consistem em tecnologias que podem ser vestidas e dispositivos inteligentes que coletam e transmitem dados por meio da internet.

Um exemplo desse tipo de healthtech é a Nexxto, cuja solução permite aumentar a segurança dos medicamentos, hemoderivados e insumos termolábeis por meio do monitoramento sem fio de medicamentos, automatizando o método manual que comumente é praticado nas instituições.

Assim você fica em dia com as normas regulatórias, garante a segurança do paciente, tornando ainda sua operação mais produtiva. Saiba mais sobre a solução para controle de temperatura de geladeira hospitalar.

E você, já aproveita as novas tecnologias das healthtechs na sua instituição de saúde? Para ficar por dentro de outras novidades da área da tecnologia, baixe o Distrito HealthTech Report e acompanhe o site do Distrito! Esse conteúdo foi planejado e produzido em parceria eles.

h

Lucas Almeida

Co-Fundador, Diretor de Marketing e Vendas

Engenheiro pela Poli-USP e especializado em Marketing e Administração pela ULV/CA.
Aqui na Nexxto minha missão é ajudar empresas a se tornarem mais eficientes e competitivas por meio da transformação digital.