7 novembro 2019

A tecnologia vem se tornando cada vez mais necessária para a melhoria dos processos de trabalho, no setor de saúde não tem sido diferente. O uso de sistemas inteligentes aliados à recursos de manutenção, gerenciamento, marketing e relacionamento com clientes, por exemplo, são alguns dos fatores que se tornam fundamentais para o sucesso de um negócio. A inteligência clínica está relacionada com toda a estrutura de tecnologia aplicada no setor da saúde e, além disso, se preocupa com os impactos, sejam eles positivos ou negativos que esses recursos podem trazer para uma determinada instituição.

Baseada no monitoramento de dados, a Inteligência Clínica utiliza os conceitos do Business Intelligence, sendo alguns deles captura, processamento, análise offline e online de dados, emissão de relatórios, gerenciamento do desempenho dos processos dos diferentes níveis do negócio e análises prescritivas e de benchmarking, processo que verifica o ranqueamento da empresa no mercado, entre outros.

Todos esses fatores podem e devem ser utilizados para melhorias em diversos setores de um hospital, desde o financeiro até o setor de limpeza, por exemplo.

O acompanhamento dos indicadores hospitalares pode ser visto no dashboard do Business Intelligence, pois essa é uma das propostas do BSC (Balanced Scorecard), metodologia que preza pelo acompanhamento das metas diárias, a fim de seguir um planejamento.

Com os dados no painel, os processos se tornam mais claros. Assim, é responsabilidade dos dirigentes o controle de mudanças, caso sejam necessárias, a fim de manter a empresa em alto nível de entrega de resultados positivos.

Vale ressaltar que um dos principais diferenciais do Business Intelligence é que ele oferece informações precisas e qualitativas que permitem a tomada de decisões mais assertivas na direção de metas, o que torna a instituição que o utilizar mais competitiva no mercado.

Pensando nos benefícios que o acompanhamento de indicadores hospitalares pode proporcionar por meio da inteligência clínica, vamos conhecer alguns deles e como essa tecnologia pode impactar positivamente em toda a atuação de um hospital ou de uma clínica:

1. Permanência e Retenção

Esse indicador mostra quanto os hospitais conseguem obter de aproveitamento em relação à quantidade de atendimentos diários, semanais e mensais. Também aponta o quanto ela consegue acomodar esses pacientes com qualidade, para que assim a retenção dos mesmos seja mantida, ou seja, que eles voltem para novas consultas. Além disso, esse KPI também consegue identificar taxas de desistência e rotatividade dos pacientes.

2. Indicadores de rentabilidade

Os indicadores de rentabilidade servem para medir a eficiência dos processos administrativos de um hospital, a fim de entender quais são os fatores que estão interferindo ou não na rentabilidade da instituição.

Para identificar esses números é necessária a medição do ROI, pois ele consegue avaliar a taxa de produtividade de uma clínica por meio do cálculo que relaciona a quantidade de recursos utilizados no hospital, além da taxa de retorno sobre esse famoso investimento.

Dentro desse indicador também está a métrica de margem operacional, que consiste em gastos versus receita. Assim, se torna possível saber todos os lucros do hospital comparados aos gastos, estabelecer o que deve ser cortado de despesas ou até se as despesas atuais da instituição estão dentro do padrão para que a situação financeira do hospital seja estável e sustentável em longo prazo.

3. Indicador de Satisfação do Paciente

Esse é, sem dúvidas, um dos indicadores mais importantes, já que mede a satisfação do paciente quanto aos serviços do hospital, incluindo recepção, limpeza, conservação do ambiente, pontualidade dos profissionais, etc.

Um paciente satisfeito possui menos chances de emitir reclamações e ainda pode recomendar o hospital para novos pacientes, por isso é tão imprescindível o tratamento dos funcionários ser impecável com os pacientes.  Nada irá adiantar ter um bom ambiente, se o tratamento não condiz com o conforto do local.

A opinião do paciente sempre em primeiro lugar, afinal, ele é cliente e influencia diretamente no sucesso de um hospital.

4. Taxas de Infecção

Esse indicador calcula o número de infecções que o paciente adquiriu durante o período de tratamento médico no hospital.

Índices menores apontam para hospitais que apresentam um controle de qualidade eficiente e o compromisso da instituição com as diretrizes de segurança e saneamento, determinadas pelos órgãos responsáveis pela fiscalização das normas em hospitais como a ANVISA.

Se o número desse KPI for alto, indica um desequilíbrio da fiscalização sanitária e do cumprimento de normas básicas de segurança da instituição em análise.

A fórmula desse KPI se baseia pelo número de pacientes infectados dividido pelo total de pacientes atendidos ao longo de um período determinado (Pacientes infectados em determinado período / Total de paciente atendidos mesmo período) x 100.

5. Estoque e Suprimentos

O controle de estoques e suprimentos de um hospital ou clínica também é um dos indicadores que merece ser acompanhado de perto por sua extrema importância.

As organizações de saúde devem saber as quantidades exatas de cada suprimento para que não prejudique o andamento de nenhum tratamento médico. Além disso, sabe-se que o valor de alguns suprimentos é alto, portanto tudo deve ser registrado e verificado para que não ocorram erros.

Quanto ao setor de armazenamento, ele também deve ser analisado pois todos os anos cerca de 20% dos medicamentos fabricados no Brasil são jogados no lixo, de acordo com a ANVISA.

A boa notícia é que, mais uma vez, com a presença da tecnologia esses números tendem a diminuir, já que o investimento no setor de Health Techs tem crescido expressivamente nos últimos anos.

Desperdício de medicamentos em função do prazo de validade ou condições inadequadas de temperatura, por exemplo, podem ser minimizados com um sistema de gestão e controle de dados que irá garantir as boas práticas no controle de estoques de medicamentos. Esse é mais um benefício do BI que permite a visualização dos processos de compra, divisão por classes de materiais, valor dos insumos para reduzir os custos, etc.

Impacto da Inteligência Clínica nos hospitais

Um dos exemplos de impacto no mercado da saúde causado pela Inteligência Artificial foi divulgado em reportagem da revista Época, que afirmou que o Hospital Albert Einsten, instituição que já era uma referência nacional, agora se tornou internacional. Isso porque conseguiu diminuir em uma hora o tempo de internação dos pacientes, graças aos indicadores de acomodações e pacientes.

Com as ferramentas da Inteligência Clínica torna-se possível a visualização de erros de diagnósticos e tratamentos. Basta analisar todos os fatores que levaram o paciente ao quadro de internação e o que poderia ter sido feito para reduzir o tempo de tratamento.

Agora que você já sabe sobre a importância da Inteligência Clínica no acompanhamento de indicadores hospitalares, que tal aplicar as tecnologias do Business Intelligence na gestão hospitalar da sua clínica? Estrategicamente, esse é um dos caminhos mais eficientes na busca pela garantia de resultados satisfatórios tanto para a instituição de saúde, quanto para os pacientes.

Gostou deste conteúdo? Então continue seguindo nosso blog para conferir textos exclusivos com todas as novidades relacionadas ao setor de saúde, acompanhamento de indicadores hospitalares e gestão hospitalar.

h

Lucas Almeida

Cofundador e CRO da Nexxto

Trabalho todos os dias para ajudar o setor de saúde a ser mais digital e eficiente, possibilitando que mais pessoas no Brasil tenham acesso a serviços com qualidade e segurança.