Publicado em 26 novembro 2020 | Atualizado em 30 novembro 2020

A segurança do paciente é um aspecto fundamental do cuidado que toda instituição deve ter. Ela deve ser centrada à experiência e aos resultados que o paciente obtém.

De acordo com dados coletados pela Johns Hopkins, mais de 250.000 mortes são causadas por erros médicos a cada ano somente nos Estados Unidos. Esse impacto é catastrófico: além do efeito nos próprios pacientes, o impacto nas “segundas vítimas” é significativo.

As segundas vítimas, de acordo com os especialistas , são os “profissionais de saúde envolvidos em um evento adverso inesperado do paciente, erro médico e/ou lesão relacionada ao paciente, e se tornam vitimizados no sentido de que o provedor fica traumatizado pelo evento”.

Embora os erros médicos possam ser atribuídos a uma variedade de coisas, as causas costumam estar enraizadas nas atitudes e crenças dos hospitais e dos médicos em relação à segurança.

A maioria das práticas tem uma abordagem padronizada, adotando procedimentos de saúde e segurança de acordo com os protocolos de conformidade, em vez de investir tempo, esforço e recursos reais para incorporar a segurança à cultura organizacional.

Estatísticas de segurança do paciente

A segurança do paciente, apesar de sua importância, ainda não tem o devido respaldo. Por exemplo, em 2012, o The Leapfrog Group – uma organização sem fins lucrativos que, nos últimos 20 anos, avalia a segurança do sistema de saúde americano – lançou o programa Hospital Safety Score.

Este programa atribuiu a mais de 2.500 hospitais dos Estados Unidos uma nota para avaliar a segurança de cada instalação. O grupo levou em consideração erros médicos, acidentes, lesões e mortes evitáveis ​​em cada unidade hospitalar.

Em comparação com os hospitais que receberam um grau “A”, o hospital com classificação “B” tem um risco 9% maior de morte evitável, enquanto os hospitais de grau “C” têm um risco 35% maior de morte evitável. Os números pioram a partir daí. Hospitais classificados com “D” ou “F” têm um risco 50 por cento maior de morte evitável.

De acordo com a análise da Pontuação de Segurança Hospitalar 2019 do Grupo Leapfrog, um total de 33.000 vidas poderiam ser salvas a cada ano se todos os hospitais tivessem o mesmo desempenho daqueles classificados com um “A”.

Você pode presumir que a maioria dos hospitais recebe uma nota “A”. Infelizmente, este não é o caso. Na verdade, desde 2013, apenas 153 hospitais obtiveram notas “direto A”. Dos 2.571 hospitais avaliados pelo Leapfrog Group, 798 receberam uma média “A”, 639 hospitais foram classificados com um “B”, 957 hospitais receberam uma classificação “C”, 162 hospitais foram classificados com uma média “D” e 15 hospitais receberam um “F” ou nota de reprovação.

As melhores práticas para a segurança do paciente

Os profissionais médicos recebem treinamento extensivo sobre segurança do paciente para que não transmitam doenças. Além disso, todos os enfermeiros, médicos, funcionários do hospital e demais profissionais devem seguir os procedimentos de segurança.

Eles são treinados em práticas de segurança adequadas para garantir que seus pacientes sejam cuidados e protegidos sob sua supervisão. As melhores práticas para a segurança do paciente podem variar de um lugar para outro, mas existem algumas regras universais que todos devem seguir.

Elas são:

Criação de uma Política de Segurança do Paciente

O administrador hospitalar deve criar uma política rígida de segurança e saúde que todos os funcionários devem seguir, e deve haver uma política escrita disponível para todos os funcionários do hospital em todos os momentos.

Mais importante ainda, esta política deve ser aplicada ativamente, portanto, reserve um tempo para pensar sobre quais ações disciplinares ocorrerão para aqueles que deixarem de seguir a nova política.

Também é imperativo estabelecer metas e objetivos que são relacionadas à segurança, específicos, mensuráveis ​​e com limite de tempo. Mas, talvez o mais importante seja que os administradores devem dar o exemplo. Os líderes precisam modelar o comportamento que desejam ver repetido.

Atribuir responsabilidades

Outra maneira de conduzir a nova política é atribuir responsabilidades e definir um programa de avaliação contínua. Os líderes devem comunicar como essas mudanças contribuirão para a saúde do paciente e investir seu tempo e recursos para maximizar um hospital seguro que possa fornecer o melhor atendimento ao paciente.

Todos os funcionários devem ser treinados para identificar riscos e perigos, compreender totalmente os procedimentos de higiene de segurança e analisar acidentes e comportamentos de risco em potencial.

Comunicação contínua e responsabilidade

Como a maioria dos empreendimentos de gerenciamento de mudança, a comunicação é fundamental. A comunicação e a confiança aumentam e diminuem juntas. Por esse motivo, a comunicação do funcionário com a administração é vital para relatar perigos e avaliar o desempenho e a eficácia do programa. Além disso, todo funcionário deve saber como relatar incidentes e condições inseguras dentro das instalações.

A responsabilidade é a principal peça do quebra-cabeça da segurança. É importante medir o sucesso dos novos padrões e cultura estabelecidos. Uma vez que a cultura determina as ações dos funcionários, independentemente dos procedimentos e políticas, uma organização que prioriza a segurança em sua cultura deve ver as taxas mais altas de segurança do paciente.

Permita o feedback

O feedback é importante para o sucesso de qualquer administração de saúde. Ele fornece percepções sobre os aspectos positivos e negativos de sua organização e permite que trabalhem em seus pontos fracos.

Sem feedback consistente, melhorias de segurança simplesmente não podem acontecer. Por outro lado, as organizações e as administrações devem garantir que os funcionários sejam valorizados, cuidados e saudáveis.

Equipamentos médicos adequados

Em qualquer hospital ou clínica, há uma variedade de máquinas e dispositivos médicos. Os profissionais médicos e técnicos devem ter o treinamento necessário para operar essas máquinas. Eles devem ser capazes de usá-los para diagnosticar ou tratar sem causar mais lesões.

Fornecer educação ao paciente

Enfermeiros e médicos devem oferecer informações e responder a quaisquer perguntas que você possa ter sobre sua doença, medicamentos e diagnóstico. Por isso, não deve haver segredos entre você e a equipe médica que o está ajudando.

Sinta-se à vontade para perguntar o que quiser e olhar seu prontuário. Todos ganham quando as informações são compartilhadas, especialmente quando se trata de saúde e recuperação.

Uso equipamento de proteção individual

Os profissionais médicos devem tomar todas as precauções para prevenir-se de contrair doenças e enfermidades. Eles também devem prevenir a propagação de doenças. Para isso, devem usar luvas, lavar as mãos e usar máscaras de proteção.

Manusear agulhas usadas e inspecionar áreas infectadas em pacientes sem proteção adequada é uma maneira rápida de espalhar doenças. Luvas de látex fornecem uma barreira e lavar as mãos após cada atendimento limita o risco.

Eliminação adequada de resíduos

Por exemplo, todas as agulhas, abaixadores de língua, coberturas de mesa e outros itens usados ​​devem ser descartados de maneira adequada. Deixar itens que entraram em contato com um paciente doente aumenta o risco de propagação da doença.

Tudo em um hospital ou clínica é feito para uso único, então nada deve ser reutilizado nunca. Depois de aberto e usado, ele deve ir diretamente para o recipiente de risco biológico e descartado de maneira adequada.

Impactos positivos em função da melhora da qualidade de atendimento

As despesas associadas à mortalidade e morbidade evitáveis ​​são imensas. Estima-se que cerca de US$ 20 bilhões em custos de saúde são incorridos a cada ano apenas com infecções adquiridas em hospitais, que estão entre as causas mais evitáveis de morbidade e mortalidade.

O melhor caminho a seguir, em termos de economia, liberdade profissional e bem-estar é o apoio proativo à segurança do paciente. A melhor abordagem para isso é ver a segurança do paciente como uma ação contínua, reforçando uma cultura de 100% de comprometimento. Além disso, é vital dar aos profissionais de saúde o apoio de que precisam por meio de um programa cuidadosamente projetado e executado de forma consistente.

Embora este tipo de mudança cultural exige investimento, o custo da prevenção é normalmente muito menor do que o do dano, especialmente para eventos adversos comuns como tromboembolias venosas, por exemplo. No longo prazo, os recursos gastos para implementar melhorias de segurança ajudarão a economia do hospital diretamente por meio da redução de custos, ações judiciais e penalidades. E ainda proporcionarão economia de custos indiretos por meio de maior bem-estar entre os profissionais de saúde e pacientes.

Portanto, uma das formas de melhorar a segurança do paciente é por meio da implantação de um Núcleo dentro da unidade hospitalar. Aliás, desde 2013 é obrigatório que todos os serviços de saúde tenham seu Núcleo de Segurança do Paciente (NSP).

A medida tem como objetivo orientar a direção na melhoria da qualidade e, principalmente, a segurança do paciente. Para ler mais sobre o tema, confira o artigo que publicamos em nosso blog.

h

Lucas Almeida

Cofundador e CRO da Nexxto

Trabalho todos os dias para ajudar o setor de saúde a ser mais digital e eficiente, possibilitando que mais pessoas no Brasil tenham acesso a serviços com qualidade e segurança.