11 fevereiro 2020

Lembra-se das aulas de física na escola? Nelas, aprendemos que temperatura é grandeza física, responsável por mensurar a energia cinética média de cada grau de liberdade de cada uma das partículas de um sistema em equilíbrio térmico. Com toda certeza essa definição não parece fazer muito sentido. Mas quando pensamos em “equilíbrio térmico” fica mais fácil correlacionar essa “grandeza física” com os medicamentos termolábeis, certo?

É isso que vamos fazer neste artigo. Mostrar o que é temperatura e seu papel na conservação de diversos medicamentos que dependem de uma estrutura eficiente e confiável para que sua integridade e qualidade sejam mantidos.

​​​Acompanhe com a gente!

O que é temperatura?

De acordo com física, pode-se explicar a temperatura como a grandeza termodinâmica intensiva comum a todos os corpos que estão em equilíbrio térmico. Tecnicamente falando, podemos entendê-la como a média da velocidade das partículas em uma determinada região em um determinado tempo. Assim, quanto maior a velocidade delas, mais quente e quanto menor a velocidade do conjunto, mais frio.

Ou seja, quando um corpo qualquer é aquecido, as moléculas aumentam a vibração e tendem a se afastar, gerando uma dilatação dos materiais. Ao ser resfriado, porém, ocorre a contração térmica, conforme a vibração diminui.

Veja nas figuras abaixo e perceba que as partículas vermelhas se encontram ligeiramente mais afastadas que as azuis:

Mais quente Mais frio
Mais quente Mais frio

 

Medição de temperatura

Considerando a quantidade aproximada de 1.338.000.000.000.000.000.000.000.000 moléculas presentes em um copo de água, por exemplo, medir individualmente a velocidade de cada partícula para determinar sua temperatura seria impossível.

Por isso foram criadas as escalas, que são representações relativas. No caso da escala Celsius, que é a medida utilizada no Brasil e na maior parte do mundo (os Estados Unidos utilizam a escala Fahrenheit), os limites determinados para a temperatura da água são o ponto de congelamento e o ponto de ebulição, que representam, respectivamente, 0ºC e 100ºC, utilizando uma divisão de 100 partes.

E para que se possa medir a temperatura de determinado corpo de acordo com cada escala, são utilizados os termômetros, que podem apresentar diferentes formas e construções conforme a propriedade térmica utilizada.

Tal propriedade é definida pela aferição que carrega a correspondência entre o elemento que o equipamento é capaz de medir e sua equivalência dentro da escala escolhida, que pode ser Celsius (ºC), Kelvin (K) ou Fahrenheit (F).

Manutenção térmica

Outro fator importante, principalmente relacionado à conservação de produtos, é quanto à manutenção do grau térmico. Além da medição, muitas vezes existe a necessidade de realizar a manutenção ou sustentação da temperatura de um corpo. Para isso são necessários recipientes refrigerados ou aquecidos, como as simples geladeiras que todos temos em casa.

Por exemplo, alguns alimentos como carnes e laticínios, necessitam manter-se refrigerados para estarem próprios para o consumo. Assim, eles são mantidos sob refrigeração desde a fabricação, durante o transporte e em por todo o período de armazenamento no ponto de venda. Quando chegamos em casa com o produto, o primeiro passo é colocá-lo na geladeira, evitando que se estrague.

Aqui, o equipamento de refrigeração serve para manter a temperatura ideal do alimento, sem resfriá-lo demais e também evitando que “esquente”. No caso de algumas bebidas, como refrigerantes, cervejas etc, o papel do refrigerador não é só de manter uma certa temperatura, mas de gelar a bebida para tornar seu consumo mais agradável, não estando relacionado com a necessidade de conservação do produto.

Essa manutenção e conservação se aplicam também a diversos medicamentos e insumos hospitalares, os chamados produtos termolábeis, que exigem um padrão de temperatura específico que deve ser mantido desde a sua fabricação.

O que são medicamentos termolábeis?

A partir do exemplo dos alimentos, podemos entender melhor o que são e qual a relação da temperatura com os medicamentos termolábeis.

Esses produtos não suportam uma grande oscilação da temperatura, e por isso o controle de refrigeração se faz necessário para que se mantenha a integridade do medicamento, suas propriedades e qualidade, numa faixa que varia entre 2ºC e 8ºC, com a necessidade de medir e monitorar constantemente o grau térmico em que se encontram.

Contudo, tanto a medição quanto a manutenção e o monitoramento devem ocorrer em todo o ciclo de vida do medicamento, desde sua fabricação, passando pelo transporte (aqui é onde ocorrem a maioria das falhas que comprometem a integridade do produto), armazenagem, até a dispensação para o usuário final.

Para isso são necessários instrumentos que meçam e monitorem os termolábeis em todos os pontos da cadeia do frio.

Tipos de medicamentos termolábeis:

  • vacinas;
  • insulina;
  • medicamentos imunobiológicos.

Outros tipos de produtos termolábeis

Não são apenas alguns medicamentos e vacinas que necessitam de conservação refrigerada. Existem outros tipos de produtos termolábeis na área da saúde onde é a preservação da temperatura é fundamental. Um bom exemplo são os hemocomponentes e hemoderivados, que exigem um controle de variação térmica rigoroso.

Importância do controle de temperatura para a conservação de medicamentos

A necessidade de controle térmico de certos medicamentos se dá pelo fato de que, diante de qualquer falha na cadeia do frio onde ocorra uma oscilação da temperatura maior do que remédio pode suportar, o produto pode ter sua eficácia reduzida ou até anulada por completo.

Ou seja, um medicamento termolábil que não foi devidamente acondicionado e monitorado deixa de fazer efeito ou ainda pode apresentar algum grau de toxidade. As consequências disso são graves: caso essa falha não seja percebida, o paciente pode receber um medicamento que não trará resultado e, ainda pior, pode gerar efeitos colaterais inesperados e indesejados, colocando em risco sua segurança, conforme aponta a RDC 36/2013 da Anvisa.

Do ponto de vista econômico, a perda de medicamentos pela falta de um controle adequado da temperatura pode significar um grande prejuízo financeiro à instituição de saúde.

Soluções para controle de temperatura de medicamentos termolábeis

A inovação tecnológica, cada vez mais desenvolvida para o setor de saúde, já disponibiliza uma série de recursos e equipamentos para armazenar, controlar e monitorar permanentemente os medicamentos termolábeis.

Desde refrigeradores com sistemas completos de monitoramento e alarme, mas que são soluções extremamente caras, até equipamentos de controle de temperatura e umidade que utilizam tecnologia baseada em IoT e são totalmente eficientes para controlar as condições térmicas de medicamentos e outros produtos em qualquer ponto da cadeia do frio.

A solução Nexxto, é um bom exemplo disso, além de segura e acessível, é bastante simples e eficaz, podendo ser facilmente instalada em caixas de transporte e geladeiras, monitorando a temperatura dos seus insumos de saúde de ponta a ponta.

h

Lucas Almeida

Cofundador e CRO da Nexxto

Trabalho todos os dias para ajudar o setor de saúde a ser mais digital e eficiente, possibilitando que mais pessoas no Brasil tenham acesso a serviços com qualidade e segurança.